poesia, sua lynda (partita #33, andantino spiccato)

O que eu acho da poesia?

Vez e outra as pessoas me aparecem com essa pergunta, como se realmente alguém viesse me perguntar alguma coisa, no sentido do verbo vir mesmo, mas eu gosto de imaginar que alguém vem, então é como se viessem mesmo, e daí?

Eu sempre digo que a poesia ensinou-me a escrever. A poesia ensinou-me a ler. Não foi a escola. Na escola, muito provavelmente, eu devia gerar algum tipo de pena nos professores, pela “lerdeza” no desenvolvimento. Acho que deve acontecer a mesma coisa hoje em dia. Mas eu lia, meio escondido, exatamente como eu faço hoje em dia. Algumas coisas não mudam jamais. É uma velha sabedoria.

A poesia está morta. Claro que muitos se levantarão e bradarão pela poesia, como bradaram pelo yorkshire recentemente (eu acho até que “bradaram pelo yorkshire” poderia se transformar numa analogia para “grande comoção”). Mas calma lá, por favor, pois esses clamores às vezes mostram o pior que existe dentro de nós, esses medos que nos atormentam, a toda hora, de que podemos ser ruins, maldosos e ainda ficarmos surpresos com isso. É este medo de surpreender-nos com nós mesmos.

A gente tem medo da gente.

Eu sei que os poetas estão aí. Vejo-os nos saraus. Vejo-os nas prateleiras. Mas é como se não estivessem, pois eles não importam mais. Na verdade, eles estão onde devem estar: em lugar nenhum.

Aí fica difícil.

Dificilmente leio poesia. Eles estão aí, na prateleira, tem até um Drummond aqui na minha mesa, mas eles só me fazem companhia. São velhos amigos. Mas dificilmente os leio. É uma pena, eu sei. Por isso acho injusto tudo que escrevi e retiro a tudo, pode ser? Dá pra retirar? Tem que dar, o texto é meu. Eu retiro o que escrevi. Porque a poesia é bela e só uma pessoa que lê poesia pode falar alguma coisa a respeito do assunto e quem não escreve ou faz poesia tem que ficar quietinho no seu canto e deixar a poesia em paz!

Deixa a poesia em paz.

N.P.: Escrever um outro texto sobre poesia pra compensar este que foi retirado.

[Cato Alberico Ribeiro]

Anúncios
Etiquetado , , ,

4 pensamentos sobre “poesia, sua lynda (partita #33, andantino spiccato)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: